Home » + Chamada » A ponta do iceberg

A ponta do iceberg

 

João é um senhor de 55 anos, dono de uma cozinha industrial que fornece merenda para as escolas de uma região do interior.  Ele vive honestamente daquilo que faz e com isso cria seus filhos, tem sua família e paga seus impostos.

Um dia um político vai até o João e diz que ele está lucrando 2 reais por cada merenda vendida para as escolas. Que a partir de hoje, ou João lhe dá 0,50 centavos por fora de cada merenda ou ele corta o contrato com João e quebra sua empresa.

Calma! Não meta o dedo na cara do João ainda.

João negocia. Explica, diz ser contra e que não quer aceitar.  Então ele volta pra casa e vê que é ser mais um entre milhões de brasileiros que fazem rir pra poder rir ou avisa a família que acabou tudo, porque ele quer ser honesto num mar de lamas.

Sua mulher chora, seus filhos consolam o pai e ele, honestíssimo, tem que tomar a decisão até amanhã cedo.

Agora imagine que você é o João.

Imagine, e saiba, que isso acontece em escalas desse nível todo santo dia pelo país inteiro. Que milhares de brasileiros tem suas vidas atreladas ao bem estar de quem “as arranjou”, mesmo que via trabalho honesto.

Você já pensou que quando um jogador de 17 anos ouve do treinador da base: “pra jogar 30% do seu salário é meu, ou tá fora”, ele tem que optar pela carreira dele ou ser mais um na interminável lista de quem “topou”?

Você acha que a dona Maria negaria assinar algo pra um gabinete qualquer em troca de ter 5 mil reais para sustentar dignamente seus filhos enquanto um politico qualquer está tirando 40 mil sobre uma prestação de serviço inexistente?

Você tem idéia do quanto a “propina” está no nosso dia a dia em menor escala e muito maior uso de poder para extorquir um dos lados?

É óbvio que hoje  falamos de empreiteiras e politicos ricos. Estamos falando de sacanagem, de filhos da puta da pior espécie. Mas a “cultura da corrupção'” tem níveis. E em alguns deles, não é exatamente um cenário de sacanagem mútua. É uma chantagem.

Eu já vi centenas de casos enquanto empresário que sou desde os 19 anos.  “Te dou 12, você me devolve 4 e fica com 8”.  Quem tá roubando a empresa? Você ou ele? Aliás, ele está roubando você ou a empresa?   Se não é claro quem você está prejudicando, como avaliar o erro que você está cometendo?

É uma prática assustadora para 99% das pessoas, pois elas são funcionárias e jamais estão em situações de negociação ou acordos do tipo. Mas é comum. Absolutamente comum.  Na sua padaria, na sua igreja, na sua empresa, talvez.

Hoje estamos abrindo os olhos para o que sempre soubemos que existia: um esquema para deixar pessoas ricas as custas da nossa ignorancia. Mas tem outro nível de corrupção que ainda precisamos encontrar: a que faz uso do poder para extorquir pessoas em situação inferior.

A maior rede de corrupção deste país está na nossa cara todos os dias, não no Jornal Nacional a cada 2 meses.

abs,
RicaPerrone

 

Comentários